Wilson Santiago apoia melhor divisão de impostos entre estados na Reforma Tributária


                         Wilson Santiago: “Estados consumidores pagam por um preço alto.”


O deputado Wilson Santiago (PTB-PB), considera como um dos pontos mais polêmicos do debate dentro da Comissão Especial da Reforma Tributária (PEC 45/19) a divisão de impostos entre os estados. Segundo ele, atualmente, estados consumidores pagam impostos aos produtores.
 
“Os estados consumidores pagam impostos aos estados produtores. São Paulo, por exemplo, é o maior beneficiado por ser o maior estado produtor desse país, onde se gera a maior quantidade de industrialização e de produção do Brasil. Então, o que está sendo defendido é que o imposto deve ser cobrado onde o produto é consumido”, defende.
 
De acordo com o parlamentar, a discussão deve se alongar, pois estados produtores não pretendem abrir mão das receitas que recebem, enquanto que os estados consumidores continuam pagando por um preço alto.
 
A proposta da reforma tributária, em análise na comissão especial, pode ser motivo de exame também por uma comissão mista. O objetivo dessa nova comissão seria agilizar o trabalho das duas Casas, a Câmara dos Deputados e o Senado.
 
Burocracia
 
O deputado também explica que a burocracia brasileira é uma das causas para o alto custo de tributos no País. Portanto, Wilson Santiago defende que é essencial uma atualização da legislação tributária, pois a carga de impostos no Brasil está em torno de 37% em cima de tudo que é produzido.
 
Inovação
 
Para Wilson Santiago, a reforma tributária deve reduzir a quantidade de impostos e unificá-los, de forma que fique apenas um ou dois tributos a serem cobrados. A proposta em análise defende a unificação dos cinco tributos atuais (PIS, Confins, IPI, ICMS e ISS) em apenas um, o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS).
 
Reportagem – Carlos Augusto Xavier, com a colaboração e a supervisão de Regina Mesquita
Foto – Jotaric

Comentários

Não existem comentários

Postagem de comentários após três meses foi desabilitado.
  • ©2022 PTB na Câmara. Todos os direitos reservados.